Arquivo da categoria: Integradores de Sistemas

MATURIDADE PARA INDÚSTRIA 4.0

Avaliação Quantitativa e Qualitativa do Nível de Tecnologia, Gestão e Pessoas para Implantação da Digitalização

A indústria de hoje está passando por mudanças profundas, movidas pela evolução tecnológica que as pessoas usam no dia a dia, criando um novo formato na cadeia de valor, desde como o cliente se relaciona com o produto que compra, passando pela forma de planejar e operar um processo industrial, veja no quadro nosso da apresentação alguns fatos que demonstram as questões das mudanças destes novos cenários.

Em termos de operação da indústria atual, na melhor das hipóteses, temos uma operação na cadeia de valor onde conseguimos enxergar o que está acontecendo, nem sempre em tempo real e podemos entender o passado, isto quando temos banco de dados para isto, mas ainda não é uma realidade comum.

A Indústria 4.0, sendo a transformação desta indústria, é o conceito de conectarmos toda a cadeia de valor do negócio em rede, utilizando de camada de dados, IoT Internet das Coisas e Computação em Nuvem, com objetivo de utilizar sistemas de Inteligência Artificial, melhorando a tomada de decisões e com visibilidade de dados, demonstrando os eventos futuros.

A indústria digital então, nada mais é, que a aplicação dos conceitos anteriores, fazendo com que toda esta cadeia de valor tenha interação em tempo real, respondendo o presente e o passado, como nas industriais atuais, mas como capacidade de mostrar as tendências futuras, eventos e ações em forma de prescrições, guiando a resultados mais efetivos, diminuindo os erros e diminuindo tempo de operações, do planejamento a logística.

A Transformação Digital é que permitirá construir a indústria do futuro, esta fábrica usará tecnologias habilitadoras da Indústria 4.0, terá um trabalhador preparado para lidar com máquinas e sistemas inteligentes e os processos são interconectados em tempo real, mas esta transformação é um processo em evolução nas empresas.

Para se chegar a Indústria 4.0, o primeiro passo é a digitalização da cadeia de valor, onde através a convergência de dados é possível interagir entre todos os setores, departamentos, pessoas e equipamentos, com a camada de dados disponível, podemos iniciar a jornada na fábrica inteligente, colocando sistemas de análise de dados, com visualização em tempo real, fazendo predição de eventos e adaptação de sistemas entre máquinas autônomas.

A digitalização hoje abre uma gama de oportunidades para a indústria, pois estamos em fase de transição, entendendo que estas lacunas poderão alavancar novas formas de produzir, aumentando produtividade, reduzindo custos e criando novos modelos. É importante entender esta janela do momento e saber utilizá-la, pois, com o uso intensivo destas tecnologias, que se dará de forma natural no tempo, todos estes processos entrarão em maturidade, e num futuro, não muito distante, teremos as Fábricas Digitais de fato, passando ao uso comum desta quarta revolução industrial, daí, todos serão iguais.

Ainda que algumas empresas, em situações reais raras, tenham a condições de dizer que suas fábricas já estão automatizadas, otimizadas e seus ativos entregam os resultados esperados, é imperativo entender que a Indústria 4.0 não é uma melhoria, mas sim, um mudança, questões como, forma de tomar decisões na fábrica, como á sua conexão em tempo real na cadeia de valor e como se usam sistemas para prever padrões, são as novas questões desta fábrica digital.

A Transformação Digital se dará pelas pessoas, daí é importante ter as seguintes questões para trilhar o caminho da mudança:

  • Como você está lidando com as pessoas/sua equipe a respeito da Transformação Digital?
  • Você já colocou as pessoas para pensarem/transformarem seus processos eliminando o meio e aplicando Ciência de Dados/ I.A.?
  • Você já fez uma Roadmap de tecnologia para apoiar a transformação dos processos de sua empresa através das pessoas sendo usuárias?

Há diversos benefícios em pensar a Indústria Digital, listamos abaixo uma lista dos principais elementos de impacto na indústria:

  • Diminuição dos erros e do tempo operacional na cadeia de valor;
  • Aumento da produção e redução de custos com a mesma planta;
  • Elevação no nível de segurança funcional, mais inteligente e virtual;
  • Setup mais rápido de máquinas e processos industriais;
  • Aproximação da cadeia de valor, do cliente ao fornecedor;
  • Personalização e customização nas linhas de produção;
  • Diminuição de operações, aumento da supervisão, elevação da inovação;
  • Trabalhará com mais ferramentas de gestão e tomada de decisões;
  • Poderá apontar eventos com mais eficiência e melhorar processos de forma mais rápida;
  • Diminuirá sobremaneira as imprevisibilidades do controle e manutenção industrial;
  • Transparência nas operações e nos negócios.

Entendendo todas estas questões, devemos dar nosso primeiro passo que é a Maturidade, técnica que indicará em que status você está na indústria, que te levará a Indústria Inteligente.

A Maturidade então, é a técnica que associa uma metodologia, onde é possível quantificar e qualificar o status atual de uma Tecnologia, Gestão e Conhecimentos (pessoas), de forma a mostrar a aderência de uso, permitindo criar diretrizes estratégicas para implantação da Digitalização e Indústria 4.0

Existem diversos modelos de maturidade, que podemos aplicar para responder questões de onde estou para onde vou, não é escopo de nosso texto explicar estas técnicas, no limitaremos a apresentar um modelo que é a adequação de alguns destes listados abaixo:

  • Indústria 4.0-MM
  • Industry 4.0 Maturity Model
  • Maturity Model for Data-Driven Manufacturing (M2DDM)
  • The IoT Technological Maturity Model
  • Toolbox Workforce Management
  • Guideline Industrie 4.0 VDMA
  • Industrie 4.0 Maturity Index
  • IMPULS – Industrie 4.0- Readiness
  • SMMI 4.0
  • The Digital Maturity Model 4.0
  • Manufacturing Value Modeling Methodology

Temos em nosso propósito deste texto, sugerir a aplicação de um modelo, não estamos estabelecendo, mas mostrando algo que é real e aplicável para utilizar como uma técnica.

É importante entender que as tecnologias que serão sugeridas na aplicação da Transformação Digital, devem adicionar valor aos negócios da seguinte forma:

  • Aumentando a eficiência na produção (processos);
  • Reduzindo custos (econômicos e financeiros);
  • Aumentando a segurança operacional e confiabilidade;
  • Criar novos modelos;
  • Elevando o conhecimento dos trabalhadores.

Entendendo que a Indústria 4.0 é um caminho, algumas questões são muito comuns para que ocorra esta transformação, são elas:

  1. É possível ter uma planta no formato da Indústria 4.0 sem Automação?

Não ! Ocorre que se não houver uma automação mínima, você está limitado a ações manuais, sistemas Ciberfísico que poder-se-iam operar a fábrica digital não poderão operar os sistemas produtivos.

  1. É possível iniciar uma jornada pela digitalização sem levar em consideração questões de otimização do processo?

Sim! Todavia a digitalização funciona como uma lente de aumento, o que é bom em sua linha de produção, aparecerá melhor ainda, e o que é ruim, ficará muito pior, por isso é importante, antes de fazer a digitalização, fazer um levantamento de otimização de sua linha de produção (Manufatura Enxuta, Eficiência Energética, Controle Avançado, Controle em Tempo Real).

Levar a Maturidade para a Indústria é um processo que envolve algumas etapas sugestivas:

  • Fazer um Workshop na empresa, de forma a empoderar os funcionários da fábrica;
  • Apresentar o projeto (proposta) de maturidade a alta gerência da empresa;
  • Fazer o levantamento de dados com equipe competente para isso;
  • Elaborar um pré-relatório apontando as principais ações verificadas;
  • Fazer uma reunião com o cliente e aplicar a técnica da eleição de prioridades de projetos;
  • Finalizar o documento e apresentar a equipe da empresa em formato de Roadmap, lembrando que a Análise de Maturidade é um documento de nível Estratégico.

Quais são os itens que o questionário de maturidade irá verificar na planta industrial? Abaixo listamos uma sugestão de itens aplicados em diversos trabalhos realizados com boa aderência de realidade:

  • Integração de sensores, transmissores e atuadores
  • Comunicação e conectividade
  • Funcionalidades de armazenamento de dados e troca de informações
  • Monitoramento do processo/fábrica
  • Operações humanas no processo produtivo – automação
  • Automação do processo/fábrica
  • Otimização do processo/fábrica
  • Sensoriamento para digitalização
  • Infraestrutura de redes
  • Segurança da informação e cibersegurança
  • Camada de IoT, IIoT e Cloud Computing
  • Visualização das informações
  • Inteligência artificial – uso
  • Atividades operacionais rotineiras
  • Eventos operacionais e de manutenção
  • Acompanhamento e registro operacional
  • Comunicação operacional na indústria
  • Tomando decisões na planta

Veja na apresentação o modelo de verificação dos índices de cada item acima relacionado, perfazendo a graduação de 1 a 5 de cada elemento, monte uma tabela e vá, através de entrevistas, preenchendo os formulários.

Estes formulários deverão contemplar documentos, fotos, indicar os Gaps ou limitações encontradas, status atual, oportunidade de melhorias e como as pessoas interagem com estes itens, com isso, será possível montar um mapa de soluções baseado nas diretrizes abaixo.

Quais são as etapas técnicas que devo observar para a implantação da digitalização:

  • Entenda onde está e onde quer chegar;
  • Faça automação;
  • Faça otimização;
  • Faça convergência de dados;
  • Crie uma camada de IoT e use Nuvem;
  • Cuide da Segurança de Dados e Cibersegurança;
  • Monitore dados com KPI;
  • Crie um Big Data;
  • Implante Mineração de Dados;
  • Implanta Aprendizado de Máquina;
  • Use Tecnologias Habilitadoras.

Quais são as etapas da transformação digital que devo observar para a implantação da digitalização:

  • Entenda onde está e onde quer chegar;
  • Foque nas pessoas, elas vão transformar processos (treine e qualifique);
  • Mude processos, eliminando todas fases intermediárias (meio);
  • Use ferramentas on-line com dashboards inteligentes com a cadeia de valor conectada;
  • Guie a tomada de decisões baseado em eventos e predição I.A. Inteligência Artificial;
  • Tome decisões baseado em Mineração de Dados;
  • Use sistemas de Aprendizado de Máquina para tomar decisões autônomas;
  • Use Tecnologias Habilitadoras para acelerar o processo de transformação.

Construa um Roadmap, isto é, um mapa de ações com os projetos listados, baseado nas diretrizes acima listados, referenciados para lista de maturidade de cada item, onde possa apontar as fases baseadas no tempo.

Após o trabalho de maturidade, onde permite criar um mapa de ações, podemos partir para as fases de projetos (viabilidade) e implantação (teste e escala), vejam as apresentações específicas no site.

Entender e aplicar a Técnica de Análise de Maturidade para a construção da Transformação Digital é o primeiro passo, sólido, rumo a Indústria 4.0, olhando a importância das pessoas, que vão trabalhar na Fábrica Digital do Futuro.

PLANO DIRETOR DE DIGITALIZAÇÃO – Parte 1

Conjunto de Diretrizes para Desenvolvimento de um Plano Diretor para Digitalização na Indústria 4.0

Como promover a Transformação Digital na Indústria?

Não existe uma formula única ou algum método absoluto, fato é, que as indústrias vêm buscando e experimentado diversas formas de iniciar esta jornada, levando para a Indústria 4.0.

Nestes textos apresentaremos um método, simples e direto, porém estruturado que permite criar planos de ações, a partir de diretrizes, já testadas, desde o planeamento a implantação de sistemas de digitalização.

Seguiremos um roteiro, abaixo listado, para explicar como seriam as 3 fases propostas para a implantação da Digitalização na indústria:

Fase Geral – Empoderamento dos Funcionários – Treinamento sobre a Digitalização;

Fase 1 – Plano Diretor de Digitalização – Entendendo a Jornada;

Fase 2 – Projetos de Digitalização para Indústria 4.0 – Viabilizando a Transformação;

Fase 3 – Implantando a Digitalização – Construindo a Indústria 4.0.

A construção da Indústria 4.0 passa por um tripé, onde devemos entender que estas dimensões devem perfazer todo um projeto de transformação, lembrando que o foco são sempre as pessoas. São estes abaixo, nas seguintes dimensões a observar:

PESSOAS

Como as pessoas trabalham na sua Planta Industrial?

Como planejam, operam, fazem manutenção, tomam decisões de rotina ou fora de rotina, na unidade industrial?

Como estas pessoas são treinadas e avaliadas nas suas atividades, quais possibilidades reais elas têm de mudar e melhorar processos?

A aplicação da Inteligência Artificial elevará o nível de conhecimento do trabalhador da Indústria 4.0, bem como as tecnologias habilitadoras.

PROCESSOS

Como os processos de sua Indústria funcionam?

Como é o fluxo de planejamento, como é na produção e manutenção, bem como em toda cadeia de valor?

Os processos são interconectados? Na Indústria 4.0 a convergência é o pilar técnico dos processos.

As pessoas, uma vez treinadas, terão condições e a responsabilidade da transformação dos processos atuais na planta.

TECNOLOGIAS

Quais as tecnologias que são usadas em seu parque industrial?

A Indústria 3.0, trabalha variáveis instantâneas, remetendo ao presente e permite análise do passado.

As tecnologias habilitadoras da Indústria 4.0, permitirão uma nova forma de produzir, do planejamento a entrega do produto, vendo o futuro.

As pessoas treinadas, que entendem as mudanças dos processos, utilizam as novas tecnologias para permitir isso.

Neste primeiro texto, vamos descrever o Método para Fase 1, a Construção de um Plano Diretor de Digitalização, mostrando as diretrizes que permitirão construir um plano dirigido, focado e sob medida para as necessidades de cada planta.

Esta primeira fase tem a intenção de responder a seguinte pergunta: Onde estou, para onde vou?

Sendo assim, a Construção de um plano Diretor de Digitalização, em nosso caso, se baseia no tripé:

Maturidade, Impactos e Novos Modelos, sendo a Educação o centro que conecta todas estas técnicas e procedimentos.

O que é Maturidade?

Técnica que permite através de uma avaliação na indústria, de saber qual o seu status atual de (Pessoas, Processos e Tecnologia), permitindo criar uma trilha (Roadmap) para Transformação Digital.

O que são os Impactos?

Técnica que permite o entendimento das mudanças na indústria, através de “pesos”, onde cada iniciativa, representa uma mudança na cadeia de valor do processo produtivo industrial.

O que são Novos Modelos?

Técnica que permite a transformação dos processos através das pessoas, eliminando o meio, como foco no tempo e erro. Utilizando Tecnologias Habilitadoras para promover a mudança.

A Educação é o Centro

As pessoas transformam processos, as pessoas utilizam tecnologias para mudar processos.

O foco é o conhecimento das pessoas que trabalham na indústria, que promoverão e criarão a Transformação Digital, levando a Indústria 4.0.

Como fazer o Plano Diretor?

  • Promova o conhecimento da Indústria 4.0 a todos os funcionários, faça Workshops;
  • Faça uma análise de Maturidade de sua planta, entenda onde você está e onde pode chegar com a Transformação Digital;
  • Faça um exercício de mudança e impacto de sua cadeia de valor, entendo as mudanças dos processos e aplicação de tecnologias;
  • Chame sua equipe para criar as mudanças, criando novos modelos de trabalho, novos processos e utilizar tecnologia, isso gera inovação e pode surpreender.

O que o Plano Diretor entrega?

  • Workshop – facilitará entre todos as conversas sobre transformação digital e os caminhos da Indústria 4.0;
  • O Plano Diretor é um documento norteador que indicará um conjunto de status quantitativos e qualitativos de sua planta, com visão da Transformação Digital;
  • O documento de Impacto, permitirá, através de pesos, eleger projetos prioritários, com visão de produção, custos, segurança, qualidade, entre outros;
  • Com estes conhecimentos na Indústria, as pessoas se sentirão à vontade em criar a Transformação Digital através de Novos Modelos.

Dicas Gerais

  • Coloque a Automação e a Transformação Digital como Estratégia em sua empresa;
  • Eleja uma equipe para cuidar disto na empresa;
  • Contagie todos com as novas possibilidades, a Transformação Digital é uma jornada.

PROJETOS PARA DIGITALIZAÇÃO – Parte 2

Conjunto de Diretrizes para Elaboração de Projetos de Digitalização na Indústria 4.0

Como promover a Transformação Digital na Indústria?

Não existe uma formula única ou algum método absoluto, fato é, que as indústrias vêm buscando e experimentado diversas formas de iniciar esta jornada, levando para a Indústria 4.0.

Nestes textos apresentaremos um método, simples e direto, porém estruturado que permite criar planos de ações, a partir de diretrizes, já testadas, desde o planeamento a implantação de sistemas de digitalização.

Seguiremos um roteiro, abaixo listado, para explicar como seriam as 3 fases propostas para a implantação da Digitalização na indústria:

Fase Geral – Empoderamento dos Funcionários – Treinamento sobre a Digitalização;

Fase 1 – Plano Diretor de Digitalização – Entendendo a Jornada;

Fase 2 – Projetos de Digitalização para Indústria 4.0 – Viabilizando a Transformação;

Fase 3 – Implantando a Digitalização – Construindo a Indústria 4.0.

A construção da Indústria 4.0 passa por um tripé, onde devemos entender que estas dimensões devem perfazer todo um projeto de transformação, lembrando que o foco são sempre as pessoas. São estes abaixo, nas seguintes dimensões a observar:

PESSOAS

Como as pessoas trabalham na sua Planta Industrial?

Como planejam, operam, fazem manutenção, tomam decisões de rotina ou fora de rotina, na unidade industrial?

Como estas pessoas são treinadas e avaliadas nas suas atividades, quais possibilidades reais elas têm de mudar e melhorar processos?

A aplicação da Inteligência Artificial elevará o nível de conhecimento do trabalhador da Indústria 4.0, bem como as tecnologias habilitadoras.

PROCESSOS

Como os processos de sua Indústria funcionam?

Como é o fluxo de planejamento, como é na produção e manutenção, bem como em toda cadeia de valor?

Os processos são interconectados? Na Indústria 4.0 a convergência é o pilar técnico dos processos.

As pessoas, uma vez treinadas, terão condições e a responsabilidade da transformação dos processos atuais na planta.

TECNOLOGIAS

Quais as tecnologias que são usadas em seu parque industrial?

A Indústria 3.0, trabalha variáveis instantâneas, remetendo ao presente e permite análise do passado.

As tecnologias habilitadoras da Indústria 4.0, permitirão uma nova forma de produzir, do planejamento a entrega do produto, vendo o futuro.

As pessoas treinadas, que entendem as mudanças dos processos, utilizam as novas tecnologias para permitir isso.

Neste segundo texto, vamos descrever o Método para Fase 2, a Projetos para Digitalização, mostrando as diretrizes que permitirão construir projetos dirigidos, focados e sob medida para as necessidades de cada planta.

Esta segunda fase tem a diretriz da Indústria 4.0 no que se refere a aquisições, sendo: O Valor está no uso, não na aquisição, permeando nosso texto.

Sendo assim, a Construção de Projetos para Digitalização, em nosso caso, se baseia no tripé:

Viabilidade, Priorização e Contratos, sendo a Educação o centro que conecta todas estas técnicas e procedimentos.

Viabilidade

A Fábrica do Futuro terá seus ativos de produção baseado somente em OPEX (Operational Expenditure), uma vez que Máquinas e Equipamentos serão fornecidos no formato de Outsourcing do resultado final.

Priorização

Quem sabe das necessidades da empresa são seus próprios funcionários. Através do estudo de Impactos, é possível montar um Roadmap de priorização de projetos, orientado a aumento de produção, redução de custos, elevação de segurança e inovação de produtos.

Contratos

Com a modalidade de Outsourcing (ou aluguel) do ativo, empresas fornecedoras podem cobrar pela entrega do serviço, baseado em Garantia de Performance e até mesmo o Controle Operacional e de Manutenção.

A Educação é o Centro

As pessoas transformam processos, as pessoas utilizam tecnologias para mudar processos.

O foco é o conhecimento das pessoas que trabalham na indústria, que promoverão e criarão a Transformação Digital, levando a Indústria 4.0.

Como fazer os Projetos de Digitalização?

  • Desenvolva fornecedores de ativos, hardware, software e insumos que forneçam em formato de serviços, com opção de operação e insumos livres de acordo com sua necessidade;
  • Reúna a equipe de gestores e responsáveis pela digitalização de priorize projetos, orientado a projetos de alto impacto e menor tempo para o retorno do investimento;
  • Desenvolva um modelo de viabilidade financeira e econômica de modo a substituir aquisições de formato CAPEX por OPEX na totalidade com modelos de Outsourcing.

O que os Projetos de Digitalização entregam?

  • O estudo de viabilidade permitirá, a partir de um Plano Diretor de Digitalização, viabilizar projetos em formatos novos, como de Opex e Outsourcing, ou até mesmo em formatos convencionais de TIR, ROI ou equivalente;
  • Uma lista de prioridades, com direcionamento dos funcionários e equipe da empresa, é esperada para uma análise dos maiores impactos nas mudanças de processo e utilização de tecnologias;
  • O desenvolvimento de novos fornecedores com novos modelos de contratos, permitem projetos mais modernos, com orientação a garantias de performance e uso, remetendo a novas realidades da fábrica digital.

Dicas Gerais

  • Mude a forma de entender viabilidade na era digital, o serviço é o foco;
  • Priorizar projetos de alto impacto com a equipe que conhece a planta, responsabiliza todos pelos resultados;
  • Novos formatos de contratos permitirão mais oportunidades para empresas fornecedoras com inovação e ganhos para o usuário que compartilharão os riscos.

CANVAS NA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Ferramenta Ágil para Planejamento de Implantação de Sistemas de Automação Industrial

A importância de gerenciar projetos com eficiência é inquestionável, todavia, o que se vê, na maioria dos casos, é relegar gerenciamento a questões macro, onde alguém controla a implantação, ou quando muito, um departamento cuida disto na empresa, ficando muito distante da realidade do dia a dia de quem está em contato direto com os clientes e patrocinadores do projeto.

Até pouco tempo, vivemos um grande boom de certificações em gestão de projetos, PMI, PMBOK e assim por diante, com diversas questões de governança, tudo muito importante e de grande valor, mas aqui, vamos complementar a importância desta ação, no mundo da automação industrial, utilizando-se de ferramentas ágeis.

Como nossa experiência, gostaria de pontuar o perfil de projetos de automação na indústria, tanto em relação a novos projetos, quanto a ampliações ou melhorias, o que vemos é um despreparo, muitas vezes não intencional, mas de não entendimento da importância de gerenciar projetos de implantação com ferramentas mínimas.

Escrevemos um artigo sobre gerenciamento de projetos de automação industrial, seguindo as premissas do PMBOK, foi bastante comentado e acreditamos ter ajudado a entender e iniciar uma jornada neste mundo da administração de entregas, todavia, recebemos muitos comentários que a grande maioria de projetos de automação, principalmente em integradoras e departamentos específicos de automação nas empresas, são pequenos e complexos, com muitos envolvidos, muito dinâmicos e com muitas falhas em documentação, quando esta existe.

Desta forma, nossa proposta aqui, é apresentar uma ferramenta, um método complementar ao que já falamos, mas de grande valor, que é o CANVAS, ferramenta poderosa, simples de usar, com foco no planejamento, contribuindo sobremaneira, na condução e implantação de projetos de automação industrial, com as características citadas, gerando valor a todos os envolvidos.

Então, como são os projetos hoje de automação industrial? Vamos descrever as principais características, não limitadas a estas, mas que nos dê um escopo descritivo de nosso texto:

  • Em grandes obras a automação industrial é um item minimizado, ficando sempre para o fim;
  • Projetos de automação são dinâmicos e a grande maioria não tem informação para um bom planejamento;
  • Normalmente os Stakeholders (todos envolvidos no projeto) não participam do planejamento do projeto da automação, levando a consequências graves de cronograma, custo e qualidade.

Porque então usar o CANVAS na automação? Qual a contribuição desta ferramenta que iremos apresentar?

  • Ferramenta para departamento de engenharia e integradores com diversos projetos dinâmicos;
  • Caso use o PMBOK como diretriz, o CANVAS e excelente opção para Planejamento;
  • Mitigar e diminuir os riscos de implantação de sistemas pelo engajamento de todos envolvidos.

Entendendo então, as questões macro da automação industrial e as justificativas do uso desta ferramenta, vamos falar neste texto sobre:

  • Focar em uma metodologia simples e eficaz para planejamento de projetos;
  • Entender como usar o CANVAS;
  • Engajar stakeholders no plano de projeto;
  • Como dinamizar a gestão de projetos de automação industrial.

Vamos entender o que é o CANVAS *:

  • Metodologia* de planejamento de projetos;
  • Baseado em Neurociência (simples e visual);
  • Baseado em Modelo Mental (intuitivo);
  • Quadro colaborativo (modelo A1 – download);
  • Uso de termos curtos (Post-It);
  • Quadro flexível, modificável, claro e conciso;
  • Ponto central da ideia, criação, discussão e solução;
  • É a base para Cronogramas, Planilhas, Contratos…
    • * Todos os créditos do Prof. José Finochio Junior no site http://pmcanvas.com.br / (idealizador do modelo).

Quais os benefícios do uso nesta metodologia:

  • Facilidade de todos participarem;
  • Rápido para coleta de informações;
  • Dados organizados e sequenciados;
  • Engajamento dos participantes.

Vamos entender as premissas básicas da ferramenta CANVAS, vamos apresentar o que é fundamental para uso.

  1. O CANVAS trabalha respondendo perguntas diretas:
    1. Por quê? Justificativas, objetivos e benefícios;
    2. O que? Produto e requisitos;
    3. Quem? Stakeholders e equipe;
    4. Como? Premissas, grupo de entregas e restrições;
    5. Quando e quanto? Riscos, linha do tempo e custos.
  1. O CANVAS é composto de 13 quadros para serem preenchidos:
    1. GP Gerente do Projeto;
    2. PITCH Nome do Projeto;
    3. JUSTIFICATIVAS – o motivo do projeto;
    4. OBJETIVO SMART – o que te levará a solução com o projeto;
    5. BENEFÍCIOS – os benefícios do projeto;
    6. PRODUTO – o que é o projeto;
    7. REQUISITOS – o que é necessário para executar o projeto;
    8. STAKEHOLDERS – envolvidos no projeto e fatores externos;
    9. EQUIPE – todos os profissionais envolvidos que farão entregas;
    10. PREMISSAS – cenários problema, sem controle de gerente de projetos;
    11. GRUPO DE ENTREGAS – conjuntos de entregas do projeto pela equipe;
    12. RESTRIÇÕES – limitações reais do projeto;
    13. RISCOS – o que pode dar errado;
    14. LINHA DO TEMPO – cronograma macro baseado nas entregas;
    15. CUSTOS – quanto irá custar o projeto total.
  1. O CANVAS deve ser preenchido pela equipe, utilizando-se dos Post It, e seguindo uma sequência, a mesma apresentada no item anterior, sendo o fluxo de trabalho ou Workflow.
  1. O método de trabalho com o CANVAS é dividido em quatro partes:
    1. Conceber – a definição dos 13 passos (veja o exemplo na apresentação e no vídeo);
    2. Integrar – agrupar blocos e verificar coerências – passos (veja o exemplo na apresentação e no vídeo)
    3. Resolver – balancear o projeto, discutir problemas de limitações com todos (o que fazer):
      1. Não se resolve na hora – é lição para stakeholders;
      2. Deve identificar cenários de estrangulamento;
      3. Problemas de benefício;
      4. Problemas de requisitos;
      5. Problemas de entrega;
      6. Resolver juntos (equipe);
      7. Trazer soluções e cenários (plano B).
    4. Compartilhar – comunicar a todos os detalhes do projeto (o que):
      1. Mensagem de definição – porque o projeto existe;
      2. O que o projeto produz que atende ao cliente;
      3. Quem está no projeto e fornece recursos;
      4. Qual trabalho será feito, requisitos, premissas;
      5. Quais os riscos e incertezas;
      6. Qual a programação e custos do projeto.

Existem alguns pensamentos errados a respeito do CANVAS e sua aplicação como ferramenta, vejam os principais:

  • Pensar que é para projetos pequenos;
  • Eu faço sozinho;
  • Para que fazer no Post It se posso fazer direto no computador;
  • O espaço do CANVAS é pequeno para detalhar;
  • O CANVAS substitui documentação.

Concluímos que melhorar a eficiência na implantação de projetos de automação e diminuir os riscos de contratação, é fundamental para obter retorno sobre os investimentos e atendendo a todas as expectativas dos envolvidos.

INTEGRADORES DE SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

A Evolução na Prestação de Serviços e Entrega de Soluções e os Desafios da Indústria 4.0

Todos sabemos que a tecnologia na sociedade moderna que vivemos, altera-se de tempos em tempos os modelos econômicos, deixando velhos conceitos e abrindo oportunidades para novos tempos, é sabido, no mínimo sentido, que estamos em uma grande transição no mundo.

O tema aqui exposto é sobre as empresas e profissionais que prestam serviços de entrega de soluções em automação industrial, é claro e evidente que neste mercado, muita coisa mudou, desde estruturas de negócios, lucratividade, tecnologias e procedimentos de projetos.

Para tanto o momento é de reflexão, pois a transição ocorre e, não sabemos como será o futuro, não temos pretensão de escrever sobre isso, é muito arriscado, todavia nos propomos a apresentar fatos, estudos e experiência nesta área, com o principal objetivo, de apoiar estas empresas e profissionais de serviços, que se deparam dia a dia com dificuldades, muitas vezes sem um entendimento mais claro, dando margens a explicações que levam normalmente a justificativa da crise que hora vivemos, todavia, esta mesma crise, apenas acelerou as mudanças nas relações de mercado, que nos propomos a expor aqui.

Quando pensamos em mudança de mundo, mercado, produção e consumo, podemos pensar que a escassez aumenta em função do aumento da população, que quer consumir cada vez mais, o custo aumenta, pois, a oferta e demanda ainda é nosso modelo econômico vigente, agora o componente conhecimento, individual e em grupo, passa a ser mais um elemento de análise, pois as pessoas tem mais acesso a informações, conhecimento e transforma o mercado que atuam.

Em nosso mercado de uma forma geral, em função das mudanças, podemos pontuar o passado e o futuro, de forma a criar uma delimitação para nosso tema:

PASSADO

  • O valor da venda do que se produzia remunerava toda a cadeia produtiva, mesmo com baixa eficiência na produção;
  • A competição praticamente não existia, pois, as barreiras de entrada eram muito grandes e havia baixa tecnologia;
  • As referências de consumo eram locais;

HOJE

  • Sem escala, não se consegue remunerar toda a cadeia que é muito maior e o custo altera a eficiência diretamente;
  • As barreiras de entrada diminuíram, aumentando muito a competição entre empresa devido a tecnologia;
  • O mercado é global – mesmo que o consumo seja local pensamos na globalização.

Em relação a área de Automação Industrial, que vamos tratar aqui somente por automação, uma vez que nosso foco é falar da indústria, podemos pontuar os seguintes fatos que estão ocorrendo:

  • As empresas de integração de automação cada vez têm menos lucratividade, assumindo mais riscos;
  • O conhecimento tecnológico cada vez é mais democrático, fácil e barato;
  • A sensação de falta de entrega de valor na automação é cada vez maior no cliente final.

Mas o que aconteceu com a automação? Essa é a grande pergunta. Não queremos esgotar o assunto e nem definir uma regra, apenas mostrar uma visão geral.

Tanto a sociedade, a economia e a política, vivem Ciclos de Vida, em nosso caso vamos pontuar a 3ª Revolução Industrial, ocorrida próximo de 1969, que foi a incorporação da eletrônica no meio produtivo, alterando totalmente a produção industrial, neste momento houve o rompimento do velho modelo de produção, dando lugar há uma nova tecnologia.

Quando ocorre uma grade mudança, ou uma revolução desta envergadura, cria-se um novo modelo de mercado, onde no seu início, a chamada Barreira de Entrada, isto é, a dificuldade que se impõe a novos entrantes no mercado é muito grande, haja vista, poucas empresas conhecerem este novo mundo que se descortina, todavia, inicia-se uma “corrida” para poder participar deste novo mercado.

Como o tempo, a tecnologia não para e o conhecimento vai se disseminando, se pensarmos nesta 3ª revolução, temos algo como 40 anos ocorridos, nesta linha do tempo, a barreira diminui, aumentando a participação de novas empresas no mercado, aumento de concorrência, chegando a um ponto de muita facilidade de participar deste negócio.

O problema é que quando a barreira de entrada é muito pequena e a concorrência cresce muito, o Valor de entrega individual das empresas, cai na mesma proporção, interferindo diretamente no lucro das mesmas, chegando a um ponto, que tende a ser insustentável o próprio negócio, no modelo atual.

E é isso que está ocorrendo, haja vista, que estamos em mais um final de ciclo econômico, abrindo um novo formado, para nós da automação isso estamos chamando de Indústria 4.0, que podemos apontar seu início em 2011, ainda em transição, todavia já incomodando empresas e profissionais que atuam nesta área.

Para quem usa ou compra automação, há uma visão ou até mesmo uma busca, onde podemos mostrar as principais abaixo:

  • Automação é cara e é um commodities;
  • Buscam segurança na operação e alta disponibilidade;
  • A operação não deve pensar em tecnologia;
  • A tecnologia deve ser alinhada ao negócio (estratégica), agregar valor;
  • Projetos internos com falta de mão de obra, prazo e orçamento apertado;
  • Espera uma automação modular, replicante, amigável e fácil de customizar;
  • Que a automação conecte gestão industrial;
  • Que a automação tenha manutenção de ativos e diagnósticos fácil.

A automação vem mudando e dando nova forma enxergar soluções:

  • De hardware e software para sistemas integrados
  • De algoritmos para aplicações
  • De malhas e lógica para integração da informação
  • De centrado na tecnologia para centrado no negócio
  • De melhores tecnologias para melhores parceiros

Há em automação um conflito “trade off”, que gera dificuldades para equilibrar a viabilidade de negócios e tecnologia:

  • Na engenharia, cada cliente quer um projeto especial e os custos de profissionais são muitos altos;
  • Na tecnologia, busca-se padrões e modelos (pré-formatados) e produtos de baixo custo.

Vamos entender um pouco da história da automação, na visão de integração, onde no início:

  • A automação (conhecimento) “pertencia” ao profissional;
  • A solução era regionalizada;
  • A entrega era um fragmento (ou parte).

Hoje temos uma outra realidade:

  • A automação (necessidade) é de cada pelo cliente;
  • A solução é global;
  • A entrega é do pacote (solução);

Também, em função da aplicação comum da automação, gerou-se alguns mitos:

  • A Automação desemprega – Não, automação mantém a empresa empregando;
  • A Automação é cara – Não, sem automação não há indústria viável;
  • A Automação é diferencial – Não, automação só viabiliza o negócio e equaliza o mercado.

Mas então, o que mudou? Podemos ver abaixo os principais fatores:

  • A automação deixou de ser conhecimento especializado de poucos;
  • A Automação se tornou uma commodities de solução através de Especificação Técnica, gerida por Suprimentos (compras);
  • A Automação (hoje) deixou de entregar Vantagem Competitiva nos processos.

Mas porque isto aconteceu? Vamos ver os principais pontos:

  • Está acontecendo com a Automação hoje o que aconteceu com a Informática em meados dos anos 90;
  • A automação é comprada como solução pronta, sem entrega de valor agregado ou aumento de vantagem competitiva;
  • O conhecimento de automação cada vez é orientado mais em produtos não em resultados.

Com todos estes acontecimentos, vamos ver os novos direcionadores tecnológicos e de mercado que apontam para um novo horizonte, para isso, vamos entender o que é Valor:

  • Valor = Percepção de que você recebe mais e a mais do que compra/contrata;
  • Automação Industrial como solução de controle operacional NÃO entrega Valor;
  • Automação Industrial como automação da produção entrega Valor!

Uma pergunta que é muito recorrente no meio, é questionar se a automação é um commodities ou entrega Valor, para isso é necessário fazer as perguntas no formato abaixo:

  • Commodities = mercadoria global sem diferenciação (foco preço);
  • A Automação é contratada para controle operacional?
  • A Automação é contratada para gestão da produção? Valor!

O profissional de automação hoje deve trabalhar em um novo formato, em uma postura que leve o Valor da automação para a produção, consequentemente para o produto final, logo ele deve:

  • Ter conceitos multidisciplinares;
  • Quem projeta deve saber porque fazer e o que fazer como foco;
  • Quem executa deve utilizar ferramentas baseado em escala;
  • Quem integra deve ter foco em produção industrial;
  • Quem vende deve mostrar valor agregado, ROI e TOC.

Agora vamos falar um pouco sobre os integradores em si, tanto os prestadores de serviços quanto ao modelo de empresas de integração de automação, para isso vamos traçar as principais mudanças que ocorreram ao longo do tempo:

ANTES

  • Entregavam a solução completa com conceitual;
  • Detinham o Know-how (tecnologia e processos) mas não assumiam o risco;
  • Não se responsabiliza pela produtividade;

HOJE

  • Entregam a execução com conceitual do Cliente;
  • Detém o Know-how (somente tecnologia) e assumem o risco;
  • Se responsabiliza pela produtividade (tendência).

Nesta mesma linha, vamos comentar a mudança que ocorreu na concorrência, lembra-se de quando entendemos sobre as barreiras de entrada, que foram diminuindo com o tempo, a concorrência aumentou muito, então vemos:

ANTES

  • Baixa concorrência;
  • Conhecimento especialista;
  • Alto índice de lucratividade;
  • Baixo risco;

HOJE

  • Alta concorrência;
  • Conhecimento generalizado;
  • Baixo índice de lucratividade;
  • Alto risco.

Podemos pontuar os maiores desafios que os integradores enfrentam hoje, sem pensar em tecnologias novas, apenas desafios comuns, que se não forem administrados e negócio normalmente não se torna viável:

  • Reduzir tempo de engenharia;
  • Reduzir configuração de controle;
  • Simplificar interfaces de redes e I/O;
  • Simplificar interfaces softwares de gestão;
  • Interfaces com sistemas de fácil conexão com legados/nativos.

Também do lado de quem é usuário e contrata automação, tem expectativas muito atuais, podemos listar as principais, a origem desta informação é de pesquisa de grandes players de automação, com foco no cliente e usuário:

  • Gerenciamento do ciclo de vida dos ativos;
  • Justificar e qualificar valor da automação;
  • Metodologia avançada de integração;
  • Reduzir complexidade de implantação com aumento da complexidade tecnológica;
  • Ferramentas de fluxo de dados para integração de IHM e PLC;
  • Justificar e implantar migração e atualização de sistemas;
  • Gerenciamento da informação e conhecimento operacional;
  • Interoperação e comunicação de sistemas;
  • Simulação de máquinas e processos – OTS;
  • Diagnóstico Built-in – integrado/embarcado;
  • Melhorando e gerenciando documentação técnica.

De face a tudo isso, podemos falar um pouco nas tendências, uma vez que há uma mudança ocorrendo, as principais diretrizes de mudança:

  • A automação industrial caminha para a Informática e Gestão Industrial;
  • O controle de processos caminha para Automação da Produção;
  • Os processos cada vez mais serão embedded, como as máquinas;
  • Produção Digitalizada (Indústria 4.0) – Cloud, IoT, Big Data.

Com isso, podemos traçar uma visão de futuro, uma vez que o mercado “fala” e já estão ocorrendo uma série de alterações neste formato, sendo as principais:

  • O mercado tende a dividir-se em Grandes Players e Integradores Superespecializados (o meio tende a acabar);
  • O cliente cada vez comprará menos produtos, Consumirá Serviços baseado em resultados;
  • A transferência de risco dará o tom dos negócios de tecnologia.

Com isso, podemos entender que há uma mudança de filosofia de mercado, no que se refere a implantação de sistemas de automação, eis as principais:

  • Como é: compro hardware e software – Como tende a ser: alugo e uso em forma de serviços;
  • Como é: contrato baseado em entrega física – Como tende a ser: contrato baseado em performance;
  • Como é: contratação de gestores para tomada de decisões intermediárias – Como tende a ser: uso do Big Data – modelos (Mineração de Dados e Machine Learging).

A evolução da TI nas empresas a tornaram estratégicas, isto é, a TI está dentro do negócio da empresa, com a automação não deveria ser diferente, empresas que viram isto há algum tempo, estão obtendo melhores margens de lucratividades, entendendo que a automação industrial é estratégica, isto é, está no negócio produtivo da indústria, para isso, devemos entender a TO Tecnologia da Operação de forma estratégica, pois vemos Estratégia:

  • A Automação como responsável pela transformação na planta (produção, custo e segurança);
  • Implantar a tecnologia que permita a transformação da planta (customizado para o negócio);
  • Integrar a plataforma de automação com a de negócios da empresa;
  • O ciclo de vida da Automação será o mesmo do negócio, exige rapidez e inovação;
  • Prepare-se para digitalização da planta, informações em tempo real de comando, controle, operação, manutenção e segurança a Era da Indústria 4.0.

A tecnologia está mudando dentro da automação, em relação aos sistemas de hardware e software, impactando em projetos de integração, podemos dizer que já temos uma tendência de mudança real nos integradores, sendo estas tecnologias a saber:

  • A Cibersegurança será foco nos projetos de sistemas;
  • O controle estará nos dispositivos;
  • A inteligência estará nas redes;
  • A CPU principal terá função de “tomada de decisões”;
  • Os sistemas de segurança serão independentes e autônomos;
  • As redes serão autoconfiguradas bem como os dispositivos;
  • Os protocolos se convergirão (ou serão transparentes);

A TI já é grande usuária de consumo de tecnologia na forma de serviços, isto é, não se compra mais hardware e software, com isso não se tem estruturas de operação e manutenção destes sistemas, na automação, podemos dizer que também é uma tendência, mesmo que seja muito novo o conceito de Outsourcing dento da área, mas podemos sim, já pensar num futuro próximo, empresas de automação implantando hardware e softwares, cobrando por serviços consumidos e entrega de performance.

Seria a era das Infraestruturas, Plataformas e Softwares como Serviço, trazendo os conceitos para automação, teríamos:

  • AIaaS – Automation Infrastructure as a Service
  • APaaS Automation Plataform as a Service
  • ASaaS Automation Software as a Service

Para os integradores então, o que podem esperar frente a todas estas mudanças, uma vez que já estão ocorrendo, observem as principais tendências:

  • As empresas de integração terão perfil de TI e Produção Industrial;
  • Os contratos serão baseados na “entrega” de resultados;
  • A infraestrutura (hardware e software) serão locados (Outsourcing), sem custos de propriedade.

Quanto a Indústria 4.0, não podíamos deixar de falar, uma vez que é a 4ª Revolução Industrial e já está impactando nos modelos de especificação de sistemas de automação, daí a importância dos integradores se prepararem.

Não temos a intenção de falar sobre Indústria 4.0, caso tenha dúvidas, sugiro que leia o artigo de igual nome no site.

A grande questão que precisamos entender são os passos que levam a Indústria 4.0, daí vamos saber porque a automação é a base do controle produtivo.

As etapas a saber:

  • Automação – Viabiliza o negócio sendo a base
  • Otimização – Onde se tem a lucratividade, produção e custos
  • Convergência – Aumenta a agilidade na tomada de decisões
  • Redefinir o Propósito – A permanência no mercado
  • Indústria 4.0 – Um Novo Mercado

Ao integradores e empresas vejam o quadro da apresentação de Projetos, para se preparar para a prestação de serviços para a Indústria 4.0, as diretivas de projetos.

Podemos descrever os principais pontos a serem observados na Indústria 4.0, que impactarão na integração de demandas por projetos tecnológicos:

  • Convergência da TI, TO e IIoT;
  • A Internet das Coisas estará na Indústria (IIoT), as máquinas “conversarão” entre si;
  • O Big Data mudará as decisões de reativas para proativas;
  • As informações das pessoas, máquinas e processos serão onipresentes pelo Cloud;
  • A Cibersegurança sustentará os limites da operação automatizada;
  • A Inteligência Artificial apoiará tomada de decisões, eliminando erros e desperdícios.

Com isso, devemos pensar nos novos direcionadores da Indústria 4.0, isto é, como será esta nova produção, lembrando que as principais diretrizes da Automação 4.0, é entregar para a planta industrial, capacidade de elaborar novas formas de fazer negócios, eliminar o desperdício e o erro, produzir de forma customizada e personalizada, para isso, a indústria do futuro será:

  • Interoperável
  • Virtualizada
  • Flexível
  • Uso do Big Data e Cloud
  • Usa Inteligência Artificial
  • Descentralizada

A busca para atender este novo mercado deve estar centrada nas pessoas, isto é, o profissional que irá lidar com projetos, implantação e operação destas novas tecnologias, como isso, podemos pensar que, devemos entender a realidade, frente aos desafios:

  • Faltam profissionais no mercado com conhecimento específico;
  • Caminhamos para era das superespecializações;
  • O modelo de Emprego mudará para o formato de Trabalho;
  • A educação continuada é o único sustentáculo dos profissionais de tecnologia;
  • Os alunos de escolas técnicas em geral devem sair com formação conceitual e base científica.

Na contratação, arguimos um novo pensamento, uma nova forma de desenvolver negócios, para isso, podemos pensar:

  • Automação “Comoditizada”, não Gera Valor na Produção (Não tem diferencial);
  • Evoluir de, contratar Sistemas com ET (Especificação Técnica) para contratar a Empresa que tem a melhor solução;
  • Evoluir de, contratar custo, para contratar o melhor Retorno sobre o Investimento;

Para concluir, gostaria de finalizar com algumas perguntas, que gerem inquietação e motivação para a busca de um novo horizonte, entendendo que os desafios existem e podem se tornar grandes oportunidades:

  • Como você se preparando para ser o Integrador do Futuro?
  • Como estamos desenhando nossos processos, liderando as pessoas e orientando nossos resultados para isso?
  • O quanto estamos acreditando na Mudança?